A Creatina é um tipo de aminoácido produzido nos rins e fígados e provém da ingestão das proteínas.

É uma substância usada pelo tecido muscular para a produção de fosfocreatina, fator importante na formação de adenosina trifosfato (ATP), a fonte de energia para a contração muscular e para diversas outras funções.

Tudo sobre Creatina:

1) Creatina é natural, e não esteróide

Além de ser um produto natural que pode ser encontrado em diversos alimentos, como a carne vermelha e os peixes oleosos, deve ser suplementada na alimentação pois a quantidade encontrada nos pratos é insuficiente para quem precisa de mais energia.

2) Não prejudicial aos orgãos

Utilizar creatina não danifica o funcionamento dos órgãos. Os atletas que utilizaram até 15,75 gramas por dia não tiveram nenhuma alteração ou problema, ou seja o problema nos rins ou fígados só acontece se já houver alguma evidência antes do uso.

3) A alimentação não proporciona creatina suficientemente

Em uma dieta isolada, é extremamente difícil conseguir a quantidade necessária do aminoácido, pois uma parte é perdida quando os alimentos são preparados.

4) Creatina é benéfica

A suplementação de creatina junto a musculação ou treino melhora as respostas do treino. Usar a creatina como suplemento ajuda a melhorar força e ganhos de massa quando junto ao o treinamento de força. É benéfico também na prevenção de lesões e auxilia no tratamento de algumas doenças através de suplementação.

5) A quantidade pode variar

No pré-treino, a creatina ajuda no ganho de força, já no pós-treino sua absorção é maior por causa do desgaste muscular. Dividir a dose é recomentado, já que pode variar de indivíduo, ficando em torno de 3g a 5g diárias, utilizando nas formas de creatina em cápsulas, em pó ou líquida.

6) Creatina não engorda

Apesar de algumas pessoas alegarem que tiveram a sensação de peso quando começam a utilizar a creatina, nada tem a ver com “engordar”. O aminoácido faz com que os músculos acumulem água, dando a impressão de peso. Ou seja, não ganha peso, mas retém líquido.

7) Não é somente “retenção de líquidos”

Com mais creatina e água nos músculos, o volume do músculo aumenta, e a célula “volumização. Um músculo mais hidratado auxilia na ativação da proteína, que diminui a quebra das proteínas, aumentando glicogênio. Com um músculo bem treinado, melhoram o ganho de massa. Logo, o aumento do volume não está associado a retenção líquida em nosso organismo, mas sim no músculo, ajudando-o a alcançar o seu objetivo.

A creatina se for usada de forma racional e orientada, é muito segura e eficaz.

A utilização da Creatina no que diz respeito à busca do corpo perfeito através da definição muscular é fundamental. Neste artigo, você vai ficar por dentro dos compostos, benefícios e outras informações sobre o suplemento creatina.

O que é Creatina:

Formada por três aminoácidos (arginina, glicina e metionina), ela está presente nas fibras musculares e não é essencial, ou seja, é produzida pelo organismo humano. Entretanto, a utilização de suplementos alimentares como a creatina é essencial para os atletas fitness que objetivam o ganho de massa magra e a definição muscular.

Para que serve a Creatina:

A pessoa que consome esse complemento alimentar regularmente apresenta mais energia na realização dos treinos, o que potencializa os resultados destes. O suplemento permite, portanto, que a pessoa consiga treinar por mais tempo com uma carga maior. Na maior parte dos casos, permite realizar uma série extra de determinado exercício de musculação, fazendo a diferença em longo prazo.

Fisiologicamente falando, a contração muscular acontece devido a um composto conhecido como ATP (trifosfato de adenosina). ATP, grosso modo, é a energia que o organismo precisa para sobreviver e a creatina é a responsável por renovar essa energia, que está concentrada em sua maior parte (95%) nos músculos.

Benefícios da Creatina:

É preciso deixar claro que o uso do suplemento creatina não é exclusivo daqueles que fazem parte do universo fitness. Idosos e outras pessoas que possam ter algum problema relacionado à perda de massa muscular têm indicação para o uso do suplemento. Nesse caso, seu uso é prescrito por um médico.

Para os frequentadores de academia, os benefícios da creatina são muitos. Como citado acima, é ela quem renova o ATP, sem o qual o organismo não funciona corretamente. Quando a suplementação acontece, a pessoa consegue treinar por mais tempo e com um peso maior. Proporciona, pois, aquele “pique a mais” nos treinos. Isso resulta na hipertrofia (aumento do volume muscular).

A suplementação também traz benefícios para os corredores, pois ela injeta energia no corpo de maneira rápida, ideal para esse esporte, que demanda a explosão muscular.

A creatina engorda ou emagrece:

Uma das características desse suplemento é que ele retém líquido, porém isso não significa que a creatina engorda.

O que acontece é que ela leva a água que se encontra fora das células para dentro delas. Com o volume de água maior no interior da célula, a membrana celular (borda da célula) se expande, criando a falsa impressão que se ganhou peso por causa do seu uso.

É importante levar em consideração que nenhum suplemento alimentar trabalha sozinho. O que determina se esse suplemento engorda ou emagrece é a combinação da dieta e das atividades físicas.

A pessoa que faz uso do suplemento creatina, a reeducação alimentar e pratica atividades físicas regularmente poderá observar uma redução considerável de peso e, portanto, é possível afirmar que a creatina emagrece, mesmo que em teoria, ela retenha líquido.

Usar qualquer suplemento alimentar, mas não atentar para a alimentação e não realizar atividades físicas, certamente não terá o efeito acima.

Sugestão de consumo da Creatina:

A creatina pode ser ingerida através da alimentação. Ela é encontrada em carnes vermelhas e peixes. O ideal é consumir cerca de 1kg por semana.

O suplemento creatina é comercializado em pó, cápsulas ou tabletes. A quantidade ideal de ingestão por dia é de 3 a 5 gramas. O que for consumido além dessa quantidade não é absorvido pelo organismo e é expelido na urina.

Tenha em mente que esse complemento alimentar começa a fazer efeito depois de alguns dias de uso, portanto, somente depois desse período que a pessoa pode consumi-la, antes ou depois do treino. No pós-treino, deve ser combinada com outros suplementos alimentares, tais como whey, por exemplo.

Tipos de creatina:

Confira abaixo os principais:

  • Creatina Monohidratada: é conhecida como creatina pura. Sua concentração é de 88% de creatina e 12% de água. É o tipo mais consumido, com melhor relação custo x benefício.
  • Creatina Micronizada: nada mais é que a creatina monohidrata quebrada em partículas menores, facilitando assim, a absorção do suplemento. Por causa disso, é um pouco mais cara que o tipo acima.
  • Creatina Animal: esse tipo de creatina não é indicado para a utilização de pessoas, porém muitos se arriscam. Ela é mais barata que os outros tipos, porém não é regulamentada de maneira adequada pela ANVISA. Evite esse tipo de suplementação.
  • Creatina de Cavalo: alguns atletas fazem uso desse tipo de creatina afirmando que a energia extra que ela fornece é muito potente. Entretanto, esse tipo de creatina tem uma alta concentração de cromo que, em longo prazo, pode levar à falência renal. Para que correr esse risco?

A creatina é um dos suplementos alimentares importante que pode auxiliar aqueles que buscam a hipertrofia e definição muscular. Combinada com a reeducação alimentar e a prática regular de esportes, a creatina emagrece e deixa o organismo equilibrado e funcionando corretamente.

Porém, caso tenha dúvidas quanto aos tipos de creatina consumir, é importante ter a orientação de um médico ou de um nutricionista para que não coloque sua saúde em risco. Fique ligado e bom treino!